Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/handle/riu/1991
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisor1Redivo, André da Silva-
dc.creatorPicancia, Hector Barrial-
dc.date.accessioned2017-10-09T12:12:35Z-
dc.date.available2017-08-03-
dc.date.available2017-10-09T12:12:35Z-
dc.date.issued2017-07-11-
dc.identifier.citationAKAMATSU, K. Waga kuni yomo kogyohin no susei. Shogyo Keizai Ronso, v. 13, p. 129-212, 1935. AMAL, M. Os determinantes do investimento direto externo no Brasil. 106 p. (Tese de Pós-Graduação em Economia). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2000. AMAL, M.; SEABRA, F., Determinantes do Investimento Direto Externo (IDE) na América Latina: uma perspectiva institucional. XXXIII Encontro ANPEC, 2005. Disponível em: <http://www.anpec.org.br/encontro2005/artigos/A05A076.pdf>. Acessado em maio, 2017. Banco Central do Brasil. Censo de capitais estrangeiros no país. Estoque de investimentos diretos no país. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/Rex/CensoCE/port/mapa_ied/mapa.asp>. Acesso em 15/05/2016. Banco Central do Brasil. Censo de capitais estrangeiros no país. Participação no capital. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/Rex/CensoCE/port/treemap_ied/treemap.asp>. Acesso em 15/05/2016. BELLUZZO G, L; As transformações da economia capitalista no pósguerra e a origem dos desequilíbrios globais. Política Econômica em Foco, n. 7 – nov. 2005/abr. 2006. 24 SEÇÃO I BERNSTEIN, J. Capitalismo senil. Rio de Janeiro, Ed. Record. Bello, W. et al (2000), Global Finance, Londres, Zed Books. 2001. BEVAN, A; ESTRIN S. The determinants of foreign direct investment into European transition economies. Journal of comparative economics. England, London. 2004. BREWER, T. A. FDI in emerging market countries. In Oxelheim, L., editor, The Global Race for FDI. Prospects for the Future. Springer-Verlag, Berlin. 1993. BOSWORTH, B.; COLLINS, S. M.; VIRMANI, A. Sources of growth in the Indian economy. NBER Working Paper, n. 12901. Feb. 2007 CARNEIRO, R. A globalização financeira: origem, dinâmica e perspectivas. Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 90. Campinas. São Paulo. Out. 1999. ______ Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Editora Unesp/IE. Unicamp, 2002. CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã. 1996. CRUZ, L . M. Abertura financeira e impactos na economia brasileira na década de 90. 53 p. Monografia apresentada ao Instituto de Economia da Faculdade Estadual de Campinas. São Paulo. 2001. CURADO, C. "Organisational learning and organisational design", The Learning Organization, Vol. 13 Issue: 1,2006, pp.25- 48, https://doi.org/10. Acesso em 16/05/17 DAL SOTO, F; ALVES, J, N; BULÉ, A, E. Analise do processo de internacionalização do modelo de Uppsala: caminho para as empresas brasileiras. Revista Estudo & Debate em gestão e planejamento v24, n1. Lajeado. Rio Grande do Sul. 2014. DE PAULA, L. F. R.; FERRARI FILHO, F. Liberalização financeira e performance econômica: a experiência recente dos BRIC. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 11, 2006, Vitória. Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP), 2006. DUNNING, J. The eclectic paradigm as an envelope for economic and business theories of MNE activity. International Business Review 9, 2000, p 163-190. EINCHENGREEN, B. A globalização do capital: uma história do sistema monetário internacional. São Paulo: Editora 34, 2000. FERRAZ, S; ALEXANDRE, A; VOIDILA, T. Investimento direto externo na Economia brasileira dos anos 90. 34 p. Textos de Economia v.7, n.1 p.103136. Florianópolis. Santa Catarina. 2002. FOGEL, R. W. Why China is likely to achieve its growth objectives.NBER (Working Paper No.12122). Mar. 2006. FUNDACÂO DOM CABRAL. Escola de negócios do Brasil. Extensão do pontífice Universidade Católica de Minas Gerais. 2013. GONÇALVES, Reinaldo, BAUMANN, Renato, PRADO, Luiz Carlos, et al. A nova economia internacional — uma perspectiva brasileira. Rio de Janeiro : Campus, 1998 ______. Economia política internacional: fundamentos teóricos e as relações internacionais do Brasil. 2ª tiragem. Rio de Janeiro: Elsevier Editora Ltda, 2005. GONÇALVES, R. Vagão descarrilhado. O Brasil e o futuro da economia global. Rio de Janeiro, Ed. Record. 2002. HOBBSBAWN , E. Era dos Extremos. O Breve Século XX, 1914-1991. São Paulo, Ed.Companhia das Letras.1994 JOHANSON, J; VAHLNE, J-E. The Internationalization Process of the Firm—A Model of Knowledge Development and Increasing Foreign Market Commitments. Journal of International Business Studies, 1977, vol. 8, issue 1, pages 23-32. LACERDA C, A. O impacto da globalização na economia brasileira. São Paulo: Contexto. 1998. LOPES, C, H. Instituições e crescimento econômico: os modelos teóricos de Thorstein Veblen e Douglass North. Revista de Economia Política, vol. 33, nº 4 (133), pp. 619-637, outubro-dezembro/2013 MAZUMDAR, S. Growth and structural changes in output in India since independence: a study report. In: ISID – INSTITUTE FOR STUDIES IN INDUSTRIAL DEVELOPMENT. Structural changes, industrial and employment in the Indian economy: macro-economic implications of emerging pattern. New Delhi: ISID, 2010. MUDAMBI, R: NAVARRA, P. Institutions and internation business: a theoretical overview. International Business Review 11.London 2002. pages 635–646. NONNENBERG, M. J. B.; MENDONÇA, M. J. C. Determinantes dos investimentos diretos externos em países em desenvolvimento. Texto Para Discussão n 1016, Rio de Janeiro: IPEA, 2004. PINHEIRO, A; GIAMBIAGGI, F; GOSTKORZEWICS, J. “O desempenho macroeconômico do Brasil nos anos 90”. A economia brasileira nos anos 90. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. 1ª Edição. Rio de Janeiro. 1990. PRADHAN, J. P. Rise of Indian outward FDI: what implications does it hold for host developing countries? Revista Economía: teoria y practica, n. 29, p. 9-49,jul./dic. 2008. . PRATES, D M. O ciclo recente de absorção de recursos externos e a vulnerabilidade externa da economia brasileira nos anos 90. IV Encontro de Economia Política. Período de 1 a 4 de junho de 1999. SCHUMPETER, J. A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultura. 1997. Survey on current conditions and intention of outbound investment by Chinese enterprises. (s.l.). China Council for the Promotion of International Trade, 2010. TAVARES C, M; FIORI, J L. Desajuste Global e modernização conservadora. São Paulo: Paz e Terra. 1993. UNCTAD. World Investment Report. Cross border merger and acquisitions and development. New York and Geneva. 2000. ______World Investment Report: Cadeias de valor global: Investimento e comércio para o desenvolvimento. São Paulo, 2013. VIEIRA, F, V.; VERISSIMO, M P. “Crescimento econômico em economias emergentes selecionadas: Brasil, Rússia, Índia, China (BRIC) e África do Sul”. Economia e Sociedade, Campinas, v. 18, nº 3, p. 513-546, dez./2009. VILAS, M. C. Seis ideias falsas sobre a globalização. Estudos de sociologia. Argumentos desde América Latina para la refutación de una ideología. México. Abr. 2008. WILSON, D; PURUSHOTHAMAN, R. “Dreaming with BRICs: the Path to 2050”. Global Economics Papers nº 99, Goldman Sachs, Outubro, 2003, 15 p.pt_BR
dc.identifier.urihttp://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/handle/riu/1991-
dc.description.abstractThis economic science paper aims to make an analysis of the determinants of FDI in the BRICS countries in the years of 2006-2015 and how they behave in different business environments. In order to meet this main objective, an analysis of theories of FDI is made, considering the phenomenon of globalization and emphasizing the theories that emerged with greater force from the second half of the twentieth century. To do so, an analysis of available data on Foreign Direct Investment conducted in the BRICS countries is used. It is noted that FDI in the BRICS countries has been gaining strength in recent years, along with the economic growth of the countries in question. It also raises the question of the importance of FDI in a globalized world, its evolution and its behavior in diversified economic environments. For this research data from the World Investment Report (2006, 2010, 2013) and from the rankings, the Economic Freedom Index of the Heritage Group and the Wall Street Journal and the Doing business ranking of the World Bank was used. It was observed that the FDI levels received by the BRICS countries do not directly influence the variables used in this work, but a series of factors that together with the business environment affect the flows of FDI received by these countries.pt_BR
dc.description.provenanceSubmitted by Amanda Arruda (amandaarruda@unipampa.edu.br) on 2017-08-02T16:45:30Z No. of bitstreams: 1 TCC-II Hector.pdf: 813428 bytes, checksum: 4d28f3da7a7cb7d33f9dfaca2c19c89b (MD5)en
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Vera Leite (vera.leite@unipampa.edu.br) on 2017-10-09T12:12:35Z (GMT) No. of bitstreams: 1 TCC-II Hector.pdf: 813428 bytes, checksum: 4d28f3da7a7cb7d33f9dfaca2c19c89b (MD5)en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2017-10-09T12:12:35Z (GMT). No. of bitstreams: 1 TCC-II Hector.pdf: 813428 bytes, checksum: 4d28f3da7a7cb7d33f9dfaca2c19c89b (MD5) Previous issue date: 2017-07-11en
dc.languageporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Pampapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCiências econômicaspt_BR
dc.subjectInvestimento internacionalpt_BR
dc.subjectBRICSpt_BR
dc.subjectGlobalizaçãopt_BR
dc.titleDeterminantes do investimento direto externo nos BRICS para o período 2006-2015pt_BR
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
dc.contributor.referee1Soares, Ana Luísa de Souza-
dc.contributor.referee2Gonçalves , Margarete Leniza Lopez-
dc.publisher.initialsUNIPAMPApt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADASpt_BR
dc.description.resumoEste trabalho de conclusão de curso de ciências econômicas tem como objetivo fazer uma análise dos determinantes de IDE nos países do BRICS nos anos de 2006-2015 e como estes se comportam em diferentes ambientes de negócios. Para atender esse objetivo principal recorre-se a uma análise das teorias de IDE considerando o fenômeno da globalização e enfatizando as teorias que surgiram com maior força a partir da segunda metade do século XX. Para tanto se utiliza uma análise de dados disponíveis sobre Investimento direto externo realizado nos países do BRICS. Observa-se que o IDE nos países do BRICS vem ganhando força nos últimos anos , juntamente com o crescimento econômico dos países em questão. Também se coloca em pauta a importância do IDE em um mundo globalizado, sua evolução e o seu comportamento em ambientes econômicos diversificados. Para esta pesquisa foram utilizados dados do World Investment Report (2006, 2010, 2013) e dos rankings, do Índice de liberdade econômica do Heritage Group e do Journal Wall Street e do ranking Doing Business do Banco Mundial. Observou-se que os níveis de IDE recebidos por os países do BRICS não sofrem diretamente influência das variáveis utilizadas neste trabalho, e há uma serie de fatores que de forma conjunta com o ambiente de negócios afetam os fluxos de IDE recebidos por estes paísespt_BR
dc.publisher.departmentCampus Santana do Livramentopt_BR
Appears in Collections:Ciências Econômicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC-II Hector.pdf794,36 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.