Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/handle/riu/1817
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
Title: Análise da concentração na indústria automobilística no Brasil entre 2003-2015
metadata.dc.creator: El Hanini, Gustavo Mustafa Mello
metadata.dc.contributor.advisor1: Redivo, André da Silva
metadata.dc.contributor.referee1: Hoff , Debora Nayar
metadata.dc.contributor.referee2: Sopeña , Mauro Barcellos
metadata.dc.description.resumo: A indústria automobilística brasileira sempre se mostrou importante para a economia brasileira ao longo do tempo, desde seu início foi alvo de políticas de incentivos dedicadas ao setor. A fim de descobrir qual a estrutura do setor de produção de automóveis e veículos comerciais leves da indústria automobilística, a pesquisa tem como objetivo analisar a concentração da indústria automotiva no período de 2003 a 2015, para identificar as mudanças na estrutura do setor no período pós-retomada da política industrial (2003-2015). O referencial teórico utilizado está pautado no Paradigma Estrutura Conduta e Desempenho, com base nos dados obtidos da base de dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA), do Banco Comercial do Brasil e estudos produzidos por diversos autores. Foram utilizados os índices Razão de Concentração (CR) e de Hirchsman-Herfindal (HH) para a mensuração do grau de concentração na indústria. Com isso, a análise mostrou que a indústria automotiva se beneficiou de um alto grau de protecionismo desde sua criação até o esgotamento do período de substituição de importações e a abertura comercial. Com a abertura comercial evidenciou-se o problema de competitividade internacional que a mesma possuía. Em 2003, o então governo que recém assume acaba com o veto à política industrial imposta pelos governos anteriores. Ao analisar esse contexto pós 2003, a pesquisa verificou que a estrutura se manteve como oligopólio diferenciado, o grau de concentração mostrou uma leve queda entre 2003 e 2015, a conduta baseou-se na diferenciação do produto e investimento em inovação e o desempenho também apresentou uma queda.
Abstract: The Brazilian auto industry has always been important for a Brazilian economy over time, since its inception has been the subject of incentive policies dedicated to the sector. In order to discover the structure of the automobile and light commercial vehicle manufacturing industry, the research aims to analyze the concentration of the automotive industry from 2003 to 2015 to identify changes in the structure of the industry in the post-period of industrial policy (2003-2015). The theoretical framework used is based on the Paradigm Structure of Conduct and Performance, based on data obtained from the database of the National Association of Motor Vehicle Manufacturers (ANFAVEA), Banco Comercial do Brasil and studies produced by various authors. Concentration Ratio (CR) and Hirchsman-Herfindal indexes (HH) were used to measure the degree of concentration in the industry. As a result, the analysis showed that the automotive industry benefited from a high degree of protectionism from its creation until the period of import substitution and trade liberalization. With the commercial opening, the problem of international competitiveness that it possessed was evident. In 2003, the newly-elected government ended the veto of industrial policy imposed by previous governments. When analyzing this context post 2003, the research verified that the structure remained as a differentiated oligopoly, the degree of concentration showed a slight decrease between 2003 and 2015, the conduct was based on product differentiation and investment in innovation and the performance also presented a fall.
Keywords: Ciências econômicas
Políticas econômicas
Indústria automobilística
Localização industrial
Brazilian Automotive Industry
Industrial location
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal do Pampa
metadata.dc.publisher.initials: UNIPAMPA
metadata.dc.publisher.department: Campus Santana do Livramento
Citation: ALVARENGA, Gustavo Varela et al. Indústria automobilística e políticas anticíclicas: lições da crise. 2010. ANFAVEA. Anuário da Indústria Automobilística Brasileira - 2016. São Paulo: Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, 2016. 154 p. Disponível em: <http://www.anfavea.com.br/anuario.html>. Acesso em: 08 mar. 2016. BANCO CENTRAL DO BRASIL. Informações econômicas. Setor externo. Série histórica dos fluxos de investimento direto - distribuições por país ou por setor. Brasília, DF: BACEN. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br> Acesso em: 01 jun. 2017. BRASIL. MDIC. Ministério de Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior. Novos Investimentos. [201-]. Disponível em: <http://inovarauto.mdic.gov.br/>. Acesso em: 17 jul. 2017. BAIN, J. S. Barriers to new competition. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1956. ______. Industrial organization. New York: John Wiley & Sons, 1968. 678p BARROS, D. C; PEDRO, L. S. O papel do BNDES no desenvolvimento do setor automotivo brasileiro. Rio de Janeiro: Bndes, 2012. p. 98-136. (v.1). BRAGA, H. C; MASCOLO, J. L. Mensuração da concentração industrial no Brasil. Ministério da Fazenda, Escola de Administração Fazendário, Centro de Pesquisa, 1982. BRUMER, S. Estrutura, conduta e desempenho de mercado na indústria metalmecânica gaúcha - 1977. 2. ed. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística, 1981. 147 p. CABRAL, L. Economia industrial. Porto, Editora McGraw-Hill. 1994. CANO, W; SILVA, A. L. G. Política Industrial do Governo Lula. Texto para Discussão, Campinas, n. 181, jul. 2010. CASOTTI, B. P; GOLDENSTEIN, M. Panorama do setor automotivo: as mudanças estruturais da indústria e as perspectivas para o Brasil. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 28, p. 147-187, 2008. Disponível em: <https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/1308>. Acesso em: 08 mai. 2016. COMIN, A. De volta para o futuro: política e reestruturação industrial do complexo automobilístico nos anos 90. Annablume, 1998. CONSONI, F. Relatório setorial final. Pesquisa Automóveis, 2004. Disponível em:<http://www.finep.gov.br/PortalDPP/relatorio_setorial_final/relatorio_setorial_final _ impressao.asp>. Acesso em: 01 jun. 2017. COSTA, R. M; HENKIN, H. Estratégias competitivas e desempenho da indústria automobilística no Brasil. Economia e Sociedade, v. 25, n. 2, p. 457-487, 2016. DOJ-FTC, U. S. Us Department Of Justice And The Federal Trade Commission. Horizontal Merger Guidelines. 2010. Disponível em: <https://www.justice.gov/atr/horizontal-merger-guidelines-08192010#5c>. Acesso em: 01 jun. 2017. FAGUNDES, J; PONDÉ, J. Barreiras à entrada e defesa da concorrência: notas introdutórias. Texto para discussão, n. 1, 1998. FERREIRA, T. T. INDÚSTRIA AUTOMOTIVA NA AMÉRICA DO SUL. 8. ed. Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, nov. 2008. 28 p. (Informe Setorial). Disponível em: <https://web.bndes.net/bib/jspui/handle/1408/1867>. Acesso em: 08 mai. 2016. GARCIA, L. A. F; NEVES, E. M. Medidas de concentração industrial da moagem de trigo no Brasil. IV Congresso Internacional de Economia e Gestão de redes Agroalimentares. Ribeirão Preto: FEA USP, 29 a 31, out., 2003. Anais, 2003. GUIMARÃES, E. A. A. A Dinâmica de crescimento da indústria de automóveis no Brasil: 1957/78. Pesquisa e Planejamento Econômico, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p.775-812, dez. 1980. Quadrimestral. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11058/3672>. Acesso em: 25 ago. 2016. PUDO, P. B.; VALE, C. P. O mercado automobilístico no cenário econômico brasileiro. Revista Interfaces, Suzano, Nupe-Unisuz, v. 4, n. 3, p. 69-71, abr. 2012 GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas S.A, 2008. 200 p. GOLDENSTEIN, M; CASOTTI, B. P. O novo ciclo de investimentos do setor automotivo brasileiro. Informe setorial, 2008. HAGUENAUER, L et al. Evolução das cadeias produtivas brasileiras na década de 90. 786. ed. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2001. 63 p. (Texto para discussão). HASENCLEVER, L; TORRES, R. O Modelo Estrutura Conduta e Desempenho e seus Desdobramentos. In: KUPFER, D; HASENCLEVER, L. Economia Industrial: Fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. Cap. 4. p. 41-54. INOVAR-AUTO. 2017. Disponível em: <http://inovarauto.mdic.gov.br/InovarAuto/>. Acesso em: 01 jun. 2017. KOCH, J. V. Industrial organization and prices. 2 ed., New Jersey: Englewood Cliffs, 1980. 504p. KON, A. Economia industrial. São Paulo: Nobel, 1994. 212 p. KUPFER, D. Padrões de concorrência e competitividade. Encontro Nacional da ANPEC, v. 20, 1992. LABINI, P. S. Oligopolio y progreso técnico. Barcelona: Oikos, 1957. 217 p. LACERDA, A. C de et al. Economia brasileira. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. 321 p. LAKATOS, E. M; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003. 311 p. LANDIVAR, C. G. P. et al. Estrutura-conduta-desempenho em terminais intermodais do corredor centro-leste. Revista Pretexto, Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p.60-76, 21 mar. 2013. LAPLANE, M; SARTI, F. Prometeu Acorrentado: o Brasil na indústria mundial no início do século XXI. Política Econômica em Foco, v. 7, 2006. LIMA, M. A. CONTRIBUIÇÃO PARA A COMPREENSÃO DO MODELO DE OPERAÇÃO DAS CONCESSIONÁRIAS DE VEÍCULOS NO BRASIL E DA UTILIZAÇÃO DO F&I – FINANCE AND INSURANCE: Um estudo de caso em uma grande rede de concessionárias FIAT. 2009. 125 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Administração, Universidade Municipal de São Caetano do Sul, São Caetano do Sul, 2009. LIMA, U. M. O Brasil e a Cadeia Automobilística: uma avaliação das políticas públicas para maior produtividade e integração internacional entre os anos 1990 e 2014. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2016. 111 p. (Texto para discussão). LOPES, A. L. A Desconstrução da indústria automobilística brasileira constituída no Governo JK pela política setorial do governo FHC. Uniara, Araraquara, v. 17/18, p.125-144, 2006. Semestral. LOPES, H. C. O MODELO ESTRUTURA-CONDUTA-DESEMPENHO E A TEORIA EVOLUCIONÁRIA NEOSCHUMPETERIANA: UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO TEÓRICA. Revista de Economia Contemporânea, [s.l.], v. 20, n. 2, p.336-358, ago. 2016. MACIEL, M. S. Política de Incentivos Fiscais: quem recebe isenção por setores e regiões do país. Consultoria Legislativa, 2010. MELO, L. M. de. Modelos Tradicionais de Concorrência. In: KUPFER, D; HASENCLEVER, L. Economia Industrial: Fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. Cap. 1. p. 3-14. NAKATANI, P; OLIVEIRA, F. A de. Política Econômica Brasileira de Collor a Lula: 1990-2007. In: MARQUES, R. M; FERREIRA, M. R. J (Org.). O Brasil sob a nova ordem: a economia brasileira contemporânea. São Paulo: Saraiva, 2010. Cap. 2. p. 21-50. OICA, Economic Contributions. International Organization of Motor Vehicle Manufacturers (OICA), 2016. Disponível em: <http://www.oica.net/category/economic-contributions/>. Acesso em: 25 abr. 2016. PINDYCK, R. S; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. 6. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005. 641 p. PINHO, D. B.; VASCONCELLOS, M. A. Manual de Economia. 3ª. Edição. São Paulo: Saraiva, 1998. RESENDE, M. Medidas de concentração industrial: uma resenha. Análise econômica, v. 12, n. 21 e 22, 1994. SALERNO, M. S; DAHER, T. Política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo federal (PITCE): balanço e perspectivas. Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, 2006. SANT’ANNA, L. R. Análise da concentração na indústria automobilística brasileira nas décadas de 1990 e 2000. 2010. 69 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10183/28140>. Acesso em: 04 abr. 2016. SANTOS, A. M. M. M; PINHÃO, C. M. A. M. Pólos automotivos brasileiros. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 10, 1999. SANTOS, A.; BURITY, P. BNDES 50 anos− Histórias setoriais: o complexo automotivo. Rio de Janeiro: BNDES, 2002. SCHERER, F. M; ROSS, D. Industrial market structure and economic performance. University of Illinois at Urbana-Champaign's Academy for entrepreneurial leadership historical research reference in entrepreneurship, 1990. TIGRE, P. B. Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação, v. 4, n. 1 jan/jun, p. 187-223, 2005. UTZIG, Pedro do Prado. A INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA NO BRASIL, UMA ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES DE ESTRUTURA, CONDUTA E DE DESEMPENHO A PARTIR DOS ANOS 1990. 2015. 52 f. TCC (Graduação) - Curso de Ciências Econômicas, Centro de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015. VARIAN, H. R. MICROECONOMIA: uma abordagem moderna. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. VASCONCELLOS, M. A. S; GARCIA, M. E. Fundamentos de economia. São Paulo: Saraiva, v. 2012, 2004.
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/handle/riu/1817
Issue Date: 27-Jun-2017
Appears in Collections:Ciências Econômicas



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.