Please use this identifier to cite or link to this item: http://dspace.unipampa.edu.br:8080/jspui/handle/riu/1489
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
Title: Padronização de um modelo experimental de diabetes mellitus tipo 1 e avaliação de parâmetros de estresse oxidativo em jundiá (Rhamdia quelen)
metadata.dc.creator: Noronha, Dérick dos Santos
metadata.dc.contributor.advisor1: Folmer, Vanderlei
Abstract: O Diabetes mellitus (DM) é uma síndrome causada por uma deficiência na produção de insulina, ou pela incapacidade desta em realizar suas funções. A hiperglicemia, característica do DM, causa diversos distúrbios metabólicos, como perda de peso, fadiga, dificuldade de cicatrização, vasculopatia e neuropatia. Para indução do DM tipo1, é utilizada a streptozotocina (STZ), uma glicosamina-nitrosureia que se liga a transportadores do tipo glut-2, destruindo as células produtoras de insulina. O estresse oxidativo (EO) está diretamente relacionado as vias que geram as complicações causadas pelo DM, portanto sua avaliação torna-se essencial para verificar possíveis tratamentos. Sendo assim, a utilização de animais é a melhor forma in vivo de estudar fármacos e outras formas alternativas de tratar esta síndrome. O jundiá (Rhamdia quelen) é um peixe endêmico da região sul do Brasil, e tem como características boa adaptação ao frio, fácil reprodução e manejo. Com base no exposto, este estudo objetivou a criação de um modelo experimental alternativo para o estudo das alterações bioquímicas induzidas pelo DM. Para isso, foram obtidos 60 animais de piscicultura licenciada. Foram utilizados 20 peixes para a realização de uma curva de dose-resposta à STZ. Com isso, estabeleceu-se a dose de 200 mg/kg como a mais efetiva. Na padronização do modelo de DM foram utilizados 30 animais, divididos em grupo controle e tratados com STZ (200 mg/kg), acompanhados por 30 dias. Foram realizadas biometrias quinzenalmente. Ao final do tratamento, os animais foram eutanasiados e foram removidos seus tecidos (cérebro, músculo, rim, fígado e sangue) para análise. Foram avaliados os níveis de glicose, triglicerídeos, de grupos sulfidrílicos (-SH), espécies reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBA-RS) e a atividade da enzima δ-ALA-D. Ao final do experimento, não foi observado estado hiperglicêmico significativo nos animais. No entanto, foram observados níveis elevados de peroxidação lipídica no músculo, de –SH total no fígado, da atividade da enzima δ-ALA-D no cérebro, e uma diminuição nos níveis de GSH não proteicos no músculo, indicando que os animais tratados com a STZ passaram por um quadro de EO. Em conclusão, os bioindicadores de EO demonstram que houve dano oxidativo nos tecidos avaliados. Porém, mais estudos são necessários para avaliar se há relação com estado hiperglicêmico prévio ou se é um efeito isolado do agente estressor STZ.
Diabetes mellitus (DM) is a syndrome caused by insulin production deficiency, or by its incapacity to execute its functions. Hyperglycemia, a characteristic of DM, causes many metabolic disorders such as weight loss, fatigue, vasculopathy and neuropathy. For induction of type 1 DM, streptozotocin (STZ) is used in order to destroy the insulin productions pancreas beta cells. Oxidative stress (OS) is directly related to pathways that generate complications caused by DM. So, its evaluation is essential to check possible treatments. Thus, the use of animals in vivo is the best way to study drugs and other alternative ways to treating this syndrome. The jundiá (Rhamdia quelen) is an endemic fish from southern Brazil, and its main characteristics are good adaptation to cold weather, easy reproduction and handling. Based on the above, this study aimed to create an alternative experimental model for the study of biochemical changes induced by DM. For this, we obtained 60 animals. Was used 20 fish to conduct a dose-response curve to STZ. With this result, the dose of 200 mg/kg was selected as the most effective. In the standardization of the DM model, we used 30 animals, which were divided into control group and treated with STZ (200 mg/kg) group, followed by 30 days. Biometric analyses was done every two weeks. At the end of treatment, animals were euthanized their tissues was removed (brain, muscle, liver, kidney and blood) for analysis. We evaluated the glucose levels, triglycerides, the sulfhydryl groups (-SH), thiobarbituric acid reactive species (TBARS), and the δ-ALA-D enzyme activity. At the end of the experiment, there was no significant hyperglycemic state in animals. However, elevated levels of lipid peroxidation were observed in muscle, -SH total in the liver, δ-ALA-D enzyme activity in the brain, and a decrease in GSH levels in the muscle, indicating that animals treated with STZ undergone OS. In conclusion, OS bio-indicators show that oxidative damage was performed in tissues. However, more studies are needed to assess whether there is a relationship with prior hyperglycemic state or whether it is an isolated effect of stressor STZ.
Keywords: Aquicultura
Aquaculture
Publisher: Universidade Federal do Pampa
metadata.dc.rights: Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil
metadata.dc.rights.uri: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/
URI: http://hdl.handle.net/riu/1489
Issue Date: 2016
Appears in Collections:Aquicultura

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DERICK NORONHA.pdf1,03 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons